terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Video-cacetadas

É o Gus:

A neve que caiu aqui na semana passada deixou montanhas de neve e muito gelo nas calçadas. Isso porque a temperatura subiu um pouquinho após a neve, passou a positiva, e começou a derreter tudo. Havia poças de água por todo o lado, tudo húmido e molhado.

Aí veio o ar do artico e a temperatura despencou de uma hora para a outra para -10.

Aqui nós temos o "lake effect", que é uma neve que ocorre quando o ar gelado encontra a humidade e temperaturas mais quentes nos lagos. Mas, pelo jeito, a frente fria também trouxe o "freezer effect": tudo virou gelo de um dia para o outro.

E não só calçadas; vimos dois carros derraparem e rodarem aqui na ruazinha no lado da casa - e estamos falando de uma rua que se tiver 100 mestros é muito. Bastava algum desavisado fazer a curva para entrar na rua um pouco mais rápido, e vupt - lá estava ele ao contrário na pista (não, infelizmente não deu para filmar nenhum desses eventos).

Mas a calçada é o importante para a nossa história. Eis que voltávamos ontem à noite da academia, por essa ruazinha lateral. Subitamente, eu vejo a Carol de ponta cabeça, pernas para o ar, derrapando no gelo (um pouco exagerado, tudo bem). Baita tombo. Fui ajudar e... claro, outro tombo. Cai por cima do braço de mau jeito, está doendo mas acho que não é nada grave.

Quem me conhece deve ter imaginado o meu humor depois do evento. E a Carol rindo. E ainda me diz: "ah, eu já aprendi, eu cai uma vez e tentei me apoiar com o braço e foi pior. Então, eu escorreguei e não fiz nada, para não me machucar ainda mais". E eu preocupado com ela (e não, felizmente não há testemunhas ou vídeos desse evento).

* * * * *

Carol comentando:

Realmente, o gelo ontem estava surreal. Fazia quase -20 graus (eu saí da academia comendo uma barrinha de cereal e sim, a cada mordida ela congelava mais, até quase virar uma pedra) e a neve que tinha derretido um pouquinho e deslizado pela calçada formou placas de gelo, lisas feito pista de patinação. Mas, à medida que as pessoas vão pisando, ele vai rachando, ou vai sendo coberto por um pouco de neve, e não fica tão mortal. Mas, na esquina de casa, tinha uma placa enoooorme, muito lisa e totalmente invisível. Quando fiz a curva, minhas pernas foram embora sem mim e quando fui perceber eu estava totalmente esticada no chão.

Realmente eu já tinha caído outra vez, e me apoiei na mão para não bater no chão. Resultado: um hematoma enorme na mão. Desta vez eu nem me mexi, e como estava com duas calças, agasalho e o mega-casacão de frio, a queda foi bem amortecida. Mas quando olhei para trás e vi o Gustavo igualmente esticado na calçada, e vi a cena toda -- nós dois deitados no meio da calçada às 10 da noite, com -20 -- me deu um ataque de riso que só foi acabar uma hora depois. O Sr. Tolerância (coitado, ficou com o braço muito dolorido) quase me matou quando eu continuava lutando para segurar o riso uma hora depois. Sei lá o que me deu...

Mas, fora de brincadeira, o frio e a neve são muito legais, mas o gelo é uma merda.

7 comentários:

miurrause disse...

tem também o gringo effect, que é quando o caboclo passa tanto tempo fora do país que desaprende a escrever português. É "úmido", pastel.

quanto ao braço, carol tem razão. da última vez que fui me engraçar de apoiar a queda com o braço, arrumei 3 parafusos na mão. por isso que agora tudo que é queda minha tem um rolamento ninja.

=)

Carol disse...

HAHAHA
Mandou bem, Marcelo!
E isso que ele casou com uma "letrada"!

Mas me diz: quantas vezes por dia você costuma cair, hein?

Bianca Bold disse...

Hahaha... imagino a cena!! Eu também teria rido muito se tivesse caído com vocês. Cair sozinha é muito mico, mas queda grupal até que é divertido! hehehe


PS: Ainda não caí, em nenhuma das modalidades! AINDA!

Miss Daisy disse...

Pensem bem, raciocinem... vocês precisam aprender a ver o lado bom das coisas... que no caso é o seguinte: quando vocês forem esquiar em Blue Mountain, descerão raudos, lépidos, esguios, e nunca cairão, mesmo con gelo na pista. Ou, se cairem, será com toda a elegância possível, graças à experiência que ganharam nesses treinos "privés".
Valeu?

O Leitor disse...

Meninos, não se sintam mal, acontece. Palavra de quem levou um escorregão no chão molhado do banheiro e caiu de bunda e cotovelo no chão, detalhe, pelado. Ainda bem que ninguém viu.

Aliás, também já dei uma cabeçada num galho de árvore no aterro e me esparramei no chão. Socorreu-me um vizinho japonês, que mora no meu prédio. Esse sim, foi vergonhoso. Mas os japoneses são discretos, não fotografou e nem me chantageou.

Outros virão, e espero que vocês fotografem, ou filmem. E que a pior conseqüência sejam nossas risadas. :)

O Leitor disse...

só para complementar, acho que úmido fica ainda mais húmido com h. ;)

Anônimo disse...

Muito preâmbulo para algo obvio, no gelo não é mérito cair, tudo mundo cai, no gelo o quase impossível é ficar em pé. Aliás como no gelo e só tombo na certa o melhor é cair redondo, a la "SKOL", isto é bunda no chão e escorregar e rolar, pois se não é braço, mão, cotovelo ou ombro machucados ou com ligamentos doloridos.
"O Ralado"