sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Os canadenses e o queijo

Os canadenses não comem muito queijo.

Não entendemos por quê. Todas as coisas que precisam levar muito queijo, têm pouquíssimo.

Pizza, quando tem, tem pouco. A gente tem que pedir uma porção extra de queijo na pizza para vir algo próximo do normal no Brasil. Em geral mussarela e parmesão. Não tem essa de adicionar gorgonzola, mussarela de búfala e outras variações. Claramente, para eles, queijo não merece destaque em pizza.

Nos restaurantes italianos, as massas vêm sem parmesão por cima, nem queijo extra. A gente tem que pedir, e eles olham meio estranho, tipo "Desculpe, o quê?" "Queijo. Queijo parmesão, ralado." "Ah, sim. Claro." (cara de "eu, hein").

Nem pensar em uma queijeira transbordando de parmesão, como em qualquer cantina brasileira que se preze.

O queijo, e os frios de modo geral, são caros. Proporcionalmente muito mais caros do que coisas que, na minha cabeça, deveriam ser mais caras (peixe, por exemplo). Nós gostamos muito de queijo, mas esse é um ponto no qual tem uma lacuna na nossa adaptação aqui.

O queijo básico aqui é o cheddar. Tem tudo quanto é tipo de cheddar, desde o mais baratinho, fundido e com corante, já fatiadinho para pôr em sanduíche, até os envelhecidos 1, 2, 5 anos, que vão ficando mais secos e duros e chegam até a lembrar um grana. Esses são bem caros.

O queijo fresco que todo mundo usa é o feta. O gosto é bem mais forte que o queijo minas e a ricota, mas o estilo é parecido. É usado em saladas e pastinhas. O preço é razoável e é fácil de achar. Mas, como o gosto é forte, não dá para usar em muitos casos em que eu usaria requeijão ou ricota em algum prato.

Depois disso já fica difícil. Mussarela bom é muito caro (para ser mussarela, que na minha cabeça é barato por definição), e tem também mussarela mais ou menos, já ralado e em saquinhos. A gente aprendeu com a Erika e o Rafael a comprar desses saquinhos para adicionar na pizza, em casa.

Parmesão em pedaço é dificílimo de achar. Quando já tínhamos rodado vários mercados, no supermercadão que eu vou normalmente eu decidi pedir para a moça do setor de frios, que desencavou uns triangulozinhos de parmesano reggiano que estavam totalmente soterrados por outras coisas. $10 cada pedacinho, que não deve ter mais de 150 gramas.

O mais comum é encontrar queijos tipo mussarela, asiago, emmenthal etc. já fatiados, em pacotinhos. Cada pacotinho traz no máximo 10 fatias e é bem carinho.... Desanima.

O que aos poucos fomos descobrindo é que no Quebec se fazem queijos bons, e não são tão caros. Tem um brie muito bom feito lá, que também custa $10 mas é gigante, acho que uns 500 g. E o Gustavo descobriu um tal de oka, também quebecoise, que lembra um camembert mais fedido. Bem francês.

O fato é que eu sinto falta de sempre ter à mão um minas e um queijo prato, para beliscar a qualquer hora e usar em receitas.

Um comentário:

Bruno disse...

Oi Carol!
De queijos não posso reclamar nessa cidadezinha em que moro!
Afinal, aqui há o conceito de "fromagerie". Vou ficar mal-acostumado...
Beijo!
Bruno