sexta-feira, 31 de julho de 2015

Gandalf, 2001-2015

Ontem, numa noite de "blue moon", nosso gatão nos deixou. Foi muito súbito, estava perfeitamente bem e, em questão de 5 minutos, não estava mais. Deduzimos que tenha sido um infarto. Nem deu tempo de sofrer, felizmente.

Ele foi nossa primeira "decisão importante" como casal e nasceu em agosto de 2001. Alucinado, caçava a própria sombra, caía da escada, invadia o box do chuveiro no meio do nosso banho e saía correndo, dormia na nossa cabeça, era o destinatário de todo e qualquer presente ou pacote que chegasse, adorava montar móveis e fazer reparos, era o centro das atenções nas festas e tinha um ronrom de helicóptero.

O que mais amava era comer, principalmente verduras e laticínios. Sempre preparava as refeições conosco e ganhou o apelido de Gatatouille. Era gordo, grande, forte e lindo e tinha plena noção disso. Veio para o Canadá conosco em 2007 e aprendeu a andar de coleira na rua, dominando a calçada e obrigando os cachorros a desviarem o caminho. Dono da casa, estava sempre 30 segundos à frente da nossa rotina. Nos ensinou a fazer massagem nele com o pé enquanto fazíamos absolutamente qualquer outra coisa com o resto do corpo, e desde então nunca mais pudemos ficar com os dois pés plantados no chão. Sabia quando estávamos falando dele, mesmo em segredo. Tinha opinião sobre todos os assuntos.

A casa hoje está enorme. Aquela pelagem maravilhosa e o miado alto vão deixar muita saudade.

Yahoo, Mingau. Vai morar na lua de queijo.


3 comentários:

Maria Elena disse...

Vamos sentir falta dele. Ele era absolutamente diferente de qualquer outro gato. Especial. Isto dito por alguém que nunca "gostou" de felinos. Mas de Gandalf, the White, eu gostava.

Cibelly Gatti disse...

Nossa que triste !! Te acompanho há algum tempo e cheguei em Toronto há 2 mêses.

Carolina Alfaro de Carvalho disse...

Obrigada, Cibelly.