sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Cristais de neve

Aqui o povo é entendido de neve. Mesmo as previsões simples sobre o tempo e a precipitação diferenciam se a neve vai ser seca, úmida, se vão ser flurries ou neve, se vai ventar de lado ou não e várias outras nomenclaturas, como granizo e chuva congelada, que para mim eram tudo basicamente a mesma coisa: umidade congelada que cai do céu.

Passei a entender um pouco mais quando achei este simpático texto sobre a neve. Ele explica em termos bem cotidianos que diferença faz na vida das pessoas o que é que vai cair do céu, se vai grudar no pára-brisa ou não, se precisa sair de casa com a pá ou não. E dezenas de outras nuances das quais eu nem suspeitava.

Uma diferença crucial é se o que cai é água que congela na hora de cair ou se é umidade que passou do estado gasoso ao sólido sem passar pelo estado líquido (que é a neve propriamente dita).

Eu já vi neve muitas vezes, aqui e em outros lugares, e os flocos sempre eram pequenos aglomerados de grãozinhos mínimos congelados. Mas aqui pela primeira vez eu vi a neve caindo na forma daqueles cristais lindos que a gente usa na decoração de Natal. Eu achava que os cristais só eram daquele jeito no nível microscópico, mas não. Quando está muito seco e muito frio, os flocos que vêm rodopiando lentamente pelo céu não são microgelinhos aglomerados, e sim esses cristais cheios de pontinhas. É a coisa mais fascinante que já vi.

Há 3 e 2 dias atrás, nevou muito durante a noite. Anteontem e ontem eu limpei MUITA neve ao redor da casa. Janeiro e fevereiro estão quase batendo recordes de precipitação. Como dá para ver nas fotos que bati ontem, só a neve que tiramos de parte da lateral da casa e da entrada da garagem formou uma montanha do tamanho de um carro. Fora o que tiramos e empilhamos na rua, que foi a maior parte. Movemos algumas toneladas de neve em dois dias. Era neve úmida, do tipo bate-e-gruda. Gruda nos vidros, nas paredes e em qualquer saliência. Os inquilinos que moram no porão ficaram quase sem janela. A rua e as calçadas desapareceram.

Ontem, quando eu acabei a limpeza, tinha esfriado muito e estavam caindo aqueles cristais maravilhosos. Foi difícil fotografá-los, porque são muito fininhos e se quebram e derretem ao simples toque. Mas consegui algumas fotos legais. Clique nas fotos para ampliá-las.

Acúmulo num arbusto.


Em close.


Minha manga.


Zoom num cristal.


Minha mão.
(acho que estas legendas são meio inúteis...)


A primavera vai ser bem-vinda, mas vou ficar com pena quando o inverno acabar. É uma estação meio complicada, mas é linda demais. Ah, e se dependesse de mim, pulava direto da primavera para o outono. Não sinto saudade nenhuma do verão.

2 comentários:

Anônimo disse...

Carol. Nos casos onde a materia passa de estado gasoso ou vapor ao sólido, há sempre a formação de cristais bem interessantes, o processo se denomina em Física: Sublimação. É o caso da neve, do iodo cristalizado no mar e de vários outros exemplos, dos quais vários se repetem em laboratório. Para o processo acontecer ás condições devem se dar e em geral são condições bem especiais e precisas de temperatura, humidade, pressâo, etc. O processo se caracteriza por ser instantáneo e sem troca de calor ou
" adiabático". Na industria se usa para produzir varios produtos solúveis em pó, como leite, chocolate, fécula de batata, etc.
Papu.

Anônimo disse...

Lindos, liiiindos....
É muito bom para nós, sempre apressados e preocupados com coisas ditas "materiais", ter um tempinho para apreciar tanta perfeição. A gente fica como "refrescada" por dentro, não é?