sábado, 6 de setembro de 2008

Sobre a tal "adaptação ao clima frio"

A gente ouve essa pergunta o tempo todo. Já ouvíamos antes de vir para cá ("Vão para o Canadá? Mas será que vocês vão se adaptar ao frio?!?"), continuamos ouvindo depois ("E como foi a adaptação ao frio?"), é uma das primeiras perguntas quando conhecemos pessoas aqui, geralmente camuflada na forma "E como foi seu primeiro inverno?" e, cada vez mais, gente no Brasil que pensa na possibilidade de vir para cá estudar ou morar nos faz essa pergunta primordial: "E dá para a gente se adaptar ao frio daí?"

Falando sem ironia: eu não entendo muito bem essa pergunta. O que é exatamente "se adaptar"?

Populações ocupam o topo do Hemisfério Norte há milênios. Tem quem more na Sibéria, na Finlândia, na Groenlândia, no Alaska. O Canadá é um país bem desenvolvido, com gente saudável, que vive muito, tem filhos e toca a vida. As plantas e os animais também sobrevivem. Frio não é o fim do mundo, é apenas frio.

As paredes das casas são preenchidas com material térmico (o que é uma droga no verão, pois o calor que entra demora dias para sair), há aquecedores fixos instalados em todos os cômodos. Os condomínios com ar condicionado central seguem padrões rígidos de temperatura que devem ser observados. Os ônibus, metrôs, todos os ambientes fechados são climatizados.

E fora de casa?

Bom, para isso existe roupa. No Brasil nem se toma conhecimento disso, mas existe alta tecnologia envolvida na fabricação de roupas de frio. Eu trouxe do Brasil e ganhei vários casacos de lã, meias de lã, montes de cachecóis e chales de lã e tal, mas o fato é que isso é muito pouco eficiente. Camadas e camadas de lã, além de nos deixarem imensos e com pouca mobilidade, ainda deixam um monte de furinhos por onde o vento gelado passa. O pessoal aqui usa roupas feitas de tecidos isolantes, fininhos e leves. Basta uma camadinha de roupa de baixo isolante, cobrindo todo o corpo, e metade do problema está resolvido. Sobre a calça de baixo você coloca a calça normal, que mesmo ficando a uma temperatura congelante não transmite o frio para a pele. E em cima você pode pôr uma camisa normal e, por cima dela, uma jaqueta comprida, feita com material quente (tipo lã) do lado de dentro, uma camada isolante no meio e uma camada impermeável por fora. Botas e luvas também vêm com uma camadinha isolante.

Com zero, -5 graus, por aí, não é preciso muito mais. Um gorrinho ou protetor de orelhas e um cachecol fino e pronto. Já próximo dos -10 e abaixo disso é preciso proteger mais a pele, sobretudo boca e nariz, ou com um gorro que feche por baixo ou com um cachecol maior. Mas, usando roupa térmica adequada, não se sente frio no corpo.

Portanto, no quesito roupa, a adaptação se resolve em duas ou três lojas.

Neve. Neve é uma coisa muito bonita. É seca, leve, uma delícia de tocar. É mil vezes melhor que chuva, porque não molha. Já saí várias vezes andando em uma nevasca, sentindo os floquinhos no rosto. Sério, é gostoso.

Sim, quando neva você tem que sair com a pá e tirar a neve do caminho. É trabalhoso, mas divertido. Toda a vizinhança sai para fazer a mesma coisa. Em outros lugares do mundo tem gente que tem que lidar com água entrando em casa, ou areia, ou mato. Aqui é neve. Faz parte.

A única coisa chata é que a neve acumulada e compactada vai virando gelo. Gelo sim é chato, porque é duro e escorrega. Mas também é isso: é chato. Não é o fim do mundo.

Que mais? O corpo humano? Não é preciso lembrar que os seres humanos ocupam todos os cantos do planeta: desertos mortíferos, em volta de vulcões perigosos, florestas cheias de predadores, calotas polares. E até estações espaciais, num lugar vazio sem oxigênio nem gravidade chamado espaço, que nem sequer foi feito para as pessoas morarem lá.

O corpo humano se adapta a qualquer coisa, qualquer clima, qualquer comida.

Um carioca que sair do Rio no verão e pousar no inverno canadense vai sentir um certo choque térmico, é verdade. O corpo leva alguns dias para se adequar à faixa de temperatura. Aqui, quando há previsão de ondas de frio ou de calor, o governo emite um alerta para proteger gente não tem onde morar, idosos e afins, mas após alguns dias naquela faixa todo mundo se habitua. Então, se alguém chegar aqui no verão e for ficando no outono e no inverno, o corpo irá se adaptando à temperatura, que vai caindo de forma gradual.

Tem gente que se aflige, se deprime, sei lá, mas isso não é prerrogativa do frio. Conheço assim de gente deprimida em plena Copacabana ensolarada. Não sei por que o frio é tão associado com depressão. A neve branquinha, as árvores cobertas de chantilli branco e esquilinhos saltitantes. Por mais que eu tente, isso não me deprime nadinha. Tem menos horas de sol, mas garanto que o sol que tem aqui é pra lá de suficiente. Acho que o sol é supervalorizado demais no Patropi.

Sei lá, acho que rola um terrorismo com esse negócio de frio. A gente mal chegou aqui (no verão) e sempre que dizíamos que estávamos adorando a cidade, a resposta era: "Aaaah, mas espera chegar o inverno, para você ver se vai gostar!". O inverno veio, foi, e continuamos gostando. Aliás, adorando. Agora começou o terrorismo parte 2: "E aí, como passaram o inverno?" "Muito bem! O inverno é lindo, nos divertimos muito, passeamos. No inverno que vem queremos esquiar." Quando parece que a questão está resolvida, ouvimos "Aaaaah, mas o primeiro é melhor porque é novidade! Espera chegar o segundo inverno, para vocês verem o que é bom!"

Ah, na boa, vai! Se fosse tão ruim assim não tinha tanto latino, caribenho, filipino e africano morando aqui.

E não se vê tanta gente sofrendo no inverno. As pessoas saem na rua para trabalhar, passear, caminhar. A vida continua normalmente.

Aliás, sente-se muito mais frio em São Paulo do que aqui. Não digo que *faz* mas frio, mas a gente *sente* mais. As casas são geladas, as ruas são geladas e a umidade dá aquela sensação de gelo nos ossos. Frio seco é bem diferente, e cidade preparada para o frio -- realmente preparada -- é uma coisa que não existe no Brasil.

Minha recomendação para os brazucas que querem vir conhecer o Canadá mas ficam lá agarrando a cabeça morrendo de medo do frio: vem, compra roupa, toma chocolate quente, faz sopinhas e toca pra frente, porque tem muita coisa mais interessante para fazer aqui do que ter medo de frio.

XXXXXX

É o Gus:

No geral, gosto muito de frio e curti o inverno por aqui. Algumas complementações ao post da Carol:

(a) o frio é frio sim, principalmente em fevereiro (-20 oC); mas não faz tanto frio sempre, e a média foi bem agradável.
(b) a neve é legal e tal, mas depois de algumas horas ela vira gelo, e na rua com pedestres e carros vira uma lama escura e nojenta que o pessoal aqui chama de slush.
(c) infelizmente, o inverno pode ser deprimente sim. Novembro e fevereiro foram dois meses muito cinzentos, quase não tivemos dias de sol. Depois de alguns dias, a coisa fica meio chata. Nada de se desesperar, mas enche o saco.
(d) Começo da primavera não é bonito: aqui em Toronto chove pacas nessa época. E ainda faz frio.
(e) o ar fica muito seco no inverno. Em alguns dias, a humidade relativa do ar chegou a 30%. Meu nariz sangrou o inverno inteiro, os olhos coçavam constantemente, a pele ficou seca e também coçando. Nada perigoso, mas um pouco chato. Parece que humidificadores ajudam um pouco, e vamos comprar para por em casa com certeza.
(f) você come muito e muita besteira no inverno. Os casacos que escondem a silhueta também não ajudam, hehehe. Tem que ter muita força de vontade para não entrar nos chocolates, doces, muffins, cookies, brownies, etc...
(g) escurece muito cedo e amenhece mais tarde. Mesmo quando não está muito frio e ainda dá para fazer esportes ao ar livre, fica meio chato ir correr no parque, a não ser que você tenha uma agenda bem flexível e possa ir correr às 3 da tarde.
(h) dá muita preguiça de sair de casa, para qualquer coisa. Quando está fazendo -20 oC lá fora, aí que não dá vontade de sair mesmo. Academia? Malhar? heheheheheheheheeh, me passa o chocolate quente.

Mas é legal, e gostamos, e não morremos, e eu prefiro o frio ao calor de 40 graus que faz pelos menos 6 meses por ano no Rio (nos outros seis meses a temperatura cai para 30 - o Rio só tem duas estações, a quente e a insuportável).

15 comentários:

Bianca Bold disse...

É isso aí! Adorei o texto! :)

Ainda ontem peguntaram isso trocentas vezes a mim e à Carol. As respostas já saem quase no automático! hehe

Barts disse...

Desculpa, mas na parte de cima eu me perdi um pouco. Temos:
-uma malha isolante
-uma blusa qualquer
-outra malha isolante
- um casaco de lã ou whatever

É isso? Apenas 4 camadas de roupa e .. thcarãm ... vc fica quentinho?

Falando sério, eu gosto de frio "seco". Morei em portugal e - a unica coisa que me lembro - eu tinha o costume de fugir de casa pra catar bolinha todas as vezes que nevava ... E isso era legal. O frio de SP me incomoda mais atulamente do que o frio que eu lembro de sentir la ...

Carol disse...

hehehe
Sim, o frio aqui realmente é frio. Mas veja bem, não são tantas camadas de roupa; na verdade um só casaco vem com 3 camadas, sendo que a isolante vem no meio e você mal percebe. Não é aquela idéia que a gente tem no Brasil de colocar 4 casacos um por cima do outro. É o power-casacão por cima da roupa normal e pronto (a roupa de baixo você nem sente).

daniduc the dude disse...

Bom post! Realmente sinto mais frio em SP do que aqui na Holanda. Em SP eu tinha que me embrulhar num cobertor pra ficar em casa e dormir embaixo de 500 cobertas...

Mas o que eu achei mais interessante no post é o terrorismo. É bem assim mesmo. Não sei o que é, mas no Brasil, família e conhecidos agem como se estivéssimos indo pra outro planeta. Se não era o FRIO, era COMIDA! Oh, e a comida? Vocês não vão sentir falta da comida do Brasil?

- Hã... falta do quê, exatamente? É só ir no supermercado e comprar os ingredientes e preparar do jeito que se quer. Sim, tem arroz de tudo que é tipo, queijo, feijão, sei lá. Tem de tudo e mais variado que no BR.
- Mas... mas.. e tem carne seca??
- Carne sec... WTF?! Eu NUNCA como carne seca! Eu não comia no Brasil! saudades do que eu nunca quis, oh vida... e com tanta coisa nova pra experimentar...

O terrorismo varia, se não é o frio, a comida, é a saudade de casa, ou sei lá mais o quê, mas na essencia é aquela coisa: é como se estivéssimos indo pra outro planeta pra sempre.

Hã? Não. estamos indo morar em lugar habitado por pessoas que vivem, trabalham tem seus filhos, seus problemas e suas vantagens como em tdo lugar. E se eu achar q não tá bom, eu volto. Ué. Digo, não é assim como se eu estivesse entrando numa nave espacial pra plutão, e se eu me arrepender, fudeu, porque estou a 10 bilhoes de km preso numa viagem sem volta. tipo, a KLM tem voos diarios SPO-AMS, uai. Não estamos colonizando o espaço exterior, e nem estamos CORTANDO AMARRAS PRA SEMPRE OH! "Menas" drama, gente.

Carol disse...

HAUHAUAHAUAHAU!!

Falou tudo, Dani!

O mundo não acaba fora do Brasil. Tem toda uma civilização que sobrevive sem queijo Minas e até mesmo sem acarajé.

Sobre a saudade, muita gente pôs pressão nesse sentido nos nossos pais. Vi gente fazendo aquela cara tensa, pondo a mão no ombro deles para amparar e perguntando: "E aí? Como vai dar para levar a saudade deles?" Nossos pais sempre riam e diziam que ia ser ótimo, que viriam nos visitar, que com Skype é uma maravilha, etc. Tem gente que parece que espera ver a família batendo a cabeça na parede e chorando abraçado à primeira chupeta, sei lá. Acho até que foi meu sogro que uma vez disse para a gente, com toda delicadeza, algo do tipo: "Vocês não levem a mal, mas eu não consigo me sentir muito triste por vocês estarem indo para o Canadá."

E é isso, a gente embarca aqui de noite e na manhã seguinte está lá, caso sintamos saudade extrema do siri-mole de Quixeramobim que nunca provamos...

Gus disse...

Opa,

eu sinto saudade do queijo minas. Mas aqui tem cottage, feta, e diversas variedades de queijo de cabra (como, aliás, lá no Brasil também) e dá para viver sem.

Carne seca, eu até gosto, mas não morro de sentir falta. E tem um restaurante brasileiro aqui em Toronto onde eu acho que dá pra conseguir. Para bacalhau, tá cheio de restaurante português. Picanhas e cortes brasileiros também dá para achar no bairro português/brasileiro.

Siri mole... o que é isso?

Eu lembro de ter ouvido alguém falando a respeito do portugueses e do Fernando Pessoa (talvez tenha sido algo escrito pelo próprio, não me lembro agora) e sua relação com a melancolia. Melancolia seria a saudade das coisas que nunca tivemos... pois é.

daniduc the dude disse...

ah sinto falta de diversas coisas do brasil... assim como eu vou sentir falta de diversas coisas daqui [se/quando] voltar. Cada vez que aumentamos o nosso mundo, descobrimos coisas novas pra sentir falta, e este é um caminho sem volta.

Este processo, porém, não é uma coisa ruim, na verdade. Pelo menos, não na minha opinião, mas as pessoas parecem achar que é, e fazem um certo terrorismo em cima disso.

Confesso que sinto falta de coisas que nunca tive, mas ainda não senti falta de coisas que eu efetivamente não queria ter, hehe (tipo carne seca, por exemplo).

(já siri mole... ah que saudades de siri mole - que acabei de descobrir que existe... hehehe)

Abraço.

Barts disse...

"O mundo não acaba fora do Brasil."

"eu sinto saudade do queijo minas. Mas aqui tem cottage, feta, e diversas variedades de queijo de cabra "

Infelizmente nao serei capaz de conferir - in loco - tais afirmacoes proque minhas ferias acabaram de ser canceladas e, com ela - minha peregrinacao a santiago de compostela, depois da passagem internacional comprada, equipo comprado, 10 iklos perdidos e condicionamento fisico feito.

Mas o que isso tem a ver com o post? Nada realmente, alem do fato de eu nao poder mais ir este ano por causa do FRIO, mas eu queria MUITO reclamar em todas as esferas possiveis.

Desculpa ai.

Carol disse...

Putz!

Bom, com 10 quilos a menos e bom condicionamento físico, você leva vantagem na hora de baixar a p****da no çerumano responsável por cancelar suas férias...

De resto, você, nós e outros freqüentadores cativos do nosso modesto blog (que consistem basicamente de pessoas que eu não conheço) podemos ficar descalços e dar um abraço grupal para passar energias positivas para você.

Mi blog, su blog.

daniduc the dude disse...

(juntando-se ao abraço)

Gus disse...

Eu também... nessa corrente pelas férias da Barts... falta só o Powerpoint com música bacana e imagens inspiradoras.

Daniduc disse...

E funcionou! A Barts veio mesmo!

Gus disse...

Legal!

Silvia Andrade disse...

Olá Carol,

Sei que você mora no Canadá, mas por um acaso você sabe o nome de alguma loja nos EUA que venda roupa isolante?

Outra questão qual é termo usado pra esse tipo de roupa?

Desculpe o incomodo e desde já muito obrigada.

Silvia Andrade

Anderson disse...

Let´s go Miami.
Hehehehehe Nothing like sunny beaches down Miami.
For me who lives in Fortaleza, the cold weather seems to me like a suicide.
South Florida is the right spot.