quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Sobre Nomes

É o Gus:

Pois é, andamos sumidos, com muito trabalho - fazer tantos comentários no post dos Ducs sobre o papai noel holandês (que, descobrimos, na verdade é paraguaio) dá um baita trabalho. Enfim.

Esse é um post rápido sobre nomes. Eu e a Carol estávamos discutindo essa questão dos nomes, como as coisas mudam de um lugar para outro, e como as pessoas têm dificuldades de pronunciar nomes de outros países, etc. Nada revolucionário, na verdade. Mas achamos divertido ficar pronunciando "Sinterklaas" e "Zwarte Piet" aleatoriamente, apenas para ver como soariam. Ah, Carla, e não podemos esquecer do Stroopwafels e agora do Oliebollen, que deverão ser apresentados às massas torontonianas na mega convenção de 2009!

Bom, tudo isso para lembrar de dois causos sobre nomes estrangeiros "adaptados" por brasileiros.

O primeiro eu presenciei, nos meus áureos tempos como estagiário de direito, correndo os fóruns do Rio. Estava na Justiça Federal, esperando para ver um processo em uma das varas, quando chegou um entregador da Pizza Hut (para se ter uma idéia, isso deve ter ocorrido no Pleistocênio Antigo, pois ainda havia Pizza Hut no Rio) com o almoço dos serventuários. Ao ver o garoto, a atendente deu aquele berro lá para dentro:

- Aê! Quem foi que pediu o Bob's aí?

Ao que o entregador responde

- Ih, dona, não é Bobis não! É Piça Ûti!

O segundo caso não aconteceu comigo, mas o Rafa e a Érika me contaram que aconteceu com o Fred, amigo médico deles de São Paulo. Ressalvado o copyright, foi mais ou menos assim (quem conta um conto, aumenta um ponto):

Hospital em São Paulo, residência ou plantão, atendimento, filas quilométricas. Chega uma colega para o Fred:

Colega: Oi, você pode chamar esse paciente aqui?
Fred: posso, por quê?
C: Esse nome eu não chamo não.

O Fred olha o prontuário; nome do infeliz: Hímen da Silva.

Fred, meio sem graça, vai até o salão e chama, baixinho:

F: ah, bem, o Hímen?

Nenhuma resposta. Novamente, agora mais forte:

F: O senhor ou a senhora Hímen?

Nada. Tomando coragem, já achando que era pegadinha dos colegas de medicina:

F: AÊH! Tem alguém chamado Hímen da Silva aqui?

Eis que vêm caminhando lá do cantinho uma mulher e um garotinho. Ela chega pro Fred e diz:

- Ih, doutô, não é Hímen, é HEMAN. Qui nem o moço do desenho!

Fred, Rafa e Erika, mal pelo plágio (e pela firula), mas essa foi muito boa...

7 comentários:

barts disse...

Estudou comigo da quinta a oitava série do primeiro grau uma mocinha que atende pelo nome de

Hingridsbergman ...


Isso é real ... ela existiu

carladuc disse...

Gus,

Pode deixar que os stroopwafels vão na mala. :)

Agora os oliebollen vocês terão que fazer o sacrifício de vir até AMS buscar e terão que vir nessa época do ano, Novembro/Dezembro... hehehehe :)

Depois a gente atualiza se Janeiro/Fevereiro tem também... não lembro do ano passado...

Gus disse...

@Barts:

não me lembro de ter amigos com nomes estranhos no colégio. Mas tinha sempre os causos que a gente ouvia falar. Parece que a moda alguns anos atrás nas favelas do Rio era chamar os filhos de Leididai ou Maicon (por causa do Michael Jackson). Agora eu não sei; mas, por regra geral, é só colocar dois "l" e um "y", ou "son", no final dos nomes para eles soarem estrangeiros.

Tipo Bartson, Bartslly, ou Gustavoson, Carolly, etc.

Barts disse...

Eu acho que vale ressaltar que eu tm fiquei falando zwarte piet so pra ver como saía o som .... e sinterklaas ... ahh, agora tem um posto la no ducs que tem outras palavras, nenhum legal como o zwarte ...

Tiqx disse...

Tem pizza hut no Rio de novo. Há um bom tempo. Mais de uma, até!

Gus disse...

Nossa, eles voltaram! Aqui temos um equivalente canadense (pior, ou tão ruim quanto), chamado Pizza Pizza. Acho que já mencionamos em algum lugar nesse blog que os canadenses põem pouco queijo nas pizzas, etc. Estávamos nos referindo ao Pizza Pizza.

Agora, já que eu me iniciei no mundo das pizzas estranhas que não se comparam às do Brasil, eu gostaria de provar a tal da pizza turca; as massas de Amsterdam já mencionaram a dita cuja, e fiquei curioso. E no natal vamos provar a pizza de Chicago, que dizem ser muito boa (a Carol já provou, na verdade, e recomenda).

Abraços

Gus disse...

Oi barts,

minha diversão agora é ficar falando Duidui... hehe ah, sim, e dank u wel.