domingo, 18 de janeiro de 2009

Casa, asilo e parque

Há uns meses, faço trabalho voluntário (como ajudante de qualquer coisa) uma vez por semana em um asilo que tem aqui perto de casa, do outro lado do parque.

Da última vez que fui, tinha nevado bastante na noite anterior e o dia estava lindo de manhã (o que não é muito comum), então saí de casa com a câmera.

Esta é a nossa rua lateral:


Descendo a Dawes Road. Com o sol e os carros, mais o sal que os tratores jogam, a neve da rua derrete. A calçada tinha sumido.


Muitos prédios têm estacionamento descoberto.


Normalmente, os pontos de ônibus ficam depois da calçada (mais afastados da rua) e com a abertura para a frente. Mas este fica na parte mais baixa da Dawes, na ponte que atravessa o rio, e, ao contrário dos outros, fica perto da rua e com a porta virada para trás. Só agora, ao ver quanta água se acumula nessa parte baixa da rua por causa do desgelo e reparar em toda a neve aguada espirrada no vidro, finalmente entendi porque este ponto de ônibus é ao contrário: para proteger os pedestres da água que os carros espirram. Não é gentil? Aliás, no último outono trocaram todas as casinhas dos pontos por essas, mais moderninhas. Antes eram basicamente uma caixa de vidro. Agora têm um design mais bonitinho, bancos e o mapa do TTC.


O asilo -- True Davidson Acres -- do outro lado do parque. Ele foi projetado de maneira a maximizar a vista do parque, é enorme e muito simpático. Um dia faço um post especificamente sobre o asilo.


Muito sal nas calçadas (principalmente perto do asilo, onde circulam muitos idosos) para não formar gelo. O sal, até uma certa temperatura negativa, derrete o gelo. Também racha cimento e asfalto, corrói carros, sapatos e calças, e tem sua parcela de danos ambientais. Ainda assim, quando algum muquiraninha não joga sal na frente da casa, logo formam-se placas de gelo onde a gente cai e se quebra todo. Dos males o menor.


Na volta do asilo, entrei no parque. Este é o começo da ciclovia, mas nesta época do ano não há bicicletas, naturalmente. O que tem às vezes é gente andando de esqui nórdico. Parece ser uma delícia, estou morrendo de vontade de ter um.


Hoje não rola churrasquinho.


Experimentei, mas não sai água. Deve ter congelado.


Neve seca recém-caída é tudo de bom.


Caniços congelados.


Caso você caia no profundíssimo rio de 20 centímetros, não se desespere: uma equipe de resgate virá salvar você.


Um esquilo passou por aqui.


Pegos no flagra. Os esquilos ficam muito assanhados nesta época do ano.


Satisfeito, ele volta para casa enquanto ela fica pegando um bronze.


O Taylor Creek.


Um amigo veio ver o que eu estava fazendo. Os cachorros amam neve, correm e pulam. Tem alguns muito simpáticos por aqui. Este veio me cumprimentar, ganhou um carinho e depois saiu correndo atrás da dona.


Yours truly,

3 comentários:

Anônimo disse...

Meu Deus que fotos e imágens mais bonitas e pensar que tem gente que reclama do frio e da neve. Esse Taylor Creek Park no meio do inverno é um refugio de paz. Obrigado pela postagem tão linda. Pá.

Bianca Bold disse...

Saudade de vocês e do friozinho...

Gus disse...

Oi Bianca,

Você com saudade do friozinho?? Nossa... a média dessas últimas semanas tem sido de -10 C.