quarta-feira, 9 de julho de 2008

O destino das amoras

No primeiro dia que colhemos amoras, nos vimos com uns 2 kg delas. Comemos algumas puras e eu já tinha algumas idéias para o resto.

A principal dela envolvia a receita de panquecas de aveia da Carla Duc. A receita do jeito que usei está na foto à esquerda (é só clicar para ampliar que dá para ler).

Primeiro enchi uma panela de amoras e pus um pouco (mais para muito) de açúcar branco e um pouco (mais para pouco) de açúcar mascavo, e um pau de canela. Minhas medidas são sempre milimetricamente calculadas.

Quando as amoras já estavam murchando e tinham soltado bastante caldo, preparei as panquecas e as recheei com algumas colheradas das amoras quentes. Ficou bommm...

Algumas observações sobre as panquecas: nós estamos acostumados com aquelas bem finas, tipo crepe, como se comem no Brasil e na Argentina. Mas essa receita leva fermento e a massa é bem espessa, estilo americano (e europeu, sei lá). A Carla recomenda fazer em uma frigideira pequena, mas eu encasquetei de espalhar uma massa mais fina em uma frigideira maior, para poder dobrar a massa. Moral da história: ficou meio massuda demais, além de ter ficado gigante. Portanto, recomendo seguir o conselho de fazer panquecas pequenas e gordinhas, para pôr os recheios por cima.

E acho que, para o nosso gosto, colocaríamos um pouco mais de açúcar e canela na massa, já que este tipo de panqueca "aparece" bem mais do que as fininhas. Mas isso é pessoal.

O resto das amoras continuou cozinhando até o caldo ficar mais grossinho e praticamente só restarem bagaços e sementes. Eu penerei bem e fiz um belo pote de geléia.

Depois disso ainda colhemos mais amoras. Além de deixar várias em um potinho para comer puras, também estamos pondo amoras na granola. Ontem experimentamos jogar amoras na salada (alface, rúcula, tomate, queijo feta, ovo cozido e amoras) e ficou uma delícia.

E eu também já fiz assim: pus numa cumbuca de cereal várias amoras, aveia em flocos pequenos e um pouco de açúcar mascavo. Com uma colher, esmaguei as amoras, que soltam muito suco. A aveia ficou toda roxa e o açúcar se dissolveu. É um lanchinho delicioso.

E a árvore ainda está cheia de amoras para pegarmos.

8 comentários:

Pablo Cardellino disse...

tortuuuuuuraaaaaaa!!!!!


kkkk
quanto está uma passagem aérea Fpolis-Toronto para dois?

Delícia!!!

Carol disse...

hehehe
Corre que ainda tem muita amora!

Hospedagem grátis e comidinha gostosa, é só aparecer!

(Agora estou pensando num crumble...)

Eu disse...

Ô maldade...

Menina, fiquei morta de vontade de fazer o Scramble pra minha mãe... Foi bem lembrado isso. Tomara que dê certo. O mais difícil vai ser achar nectarinas e alguma frutinha vermelha por aqui.

De repente faço um Scramble do Pará, haha!

Carol disse...

Hoje fizemos o scramble. Ficou bão! Tirei foto e tudo, depois posto.

As frutas não precisam ser sempre as mesmas: pode pôr maçã, banana, manga, morango, se tiver algum tipo de pêssego... Também pode ser de uma fruta só, sem grilo.

carladuc disse...

Oi Carol,

Que legal que gostaram da panqueca! :) Fiquei com água na boca de ver a sua calda de amoras com as panquecas.

Como não temos nenhuma amoeira nem nenhuma outra árvore produtora de frutinhas vermelhas, recorremos ao bom e velho supermercado e temos agora em nossa geladeira framboesas, cerejas, morangos e uma outra frutinha que não sei o nome.

Adivinha o que teremos no café da manhã de sábado?

Siiiim, panquecas de aveia com calda de frutas vermelhas, Nham nham! :)

Beijo,

Carla

Carol disse...

mmm!

Aqui eles fazem muito recheios e caldas assim e chamam de "Very Berry". No verão e no outono, o sabor "Very Berry" é o que mais se vê por aqui. É só cozinhar um pouquinho com um pouco de açúcar e pronto! Vai bem com tudo.

daniduc the dude disse...

BTW, ficou uma diliça, brigado plea dica =)

Gus disse...

Como provedor oficial aqui de casa, eu posso dizer que o crumble/scramble ficou muiiiito bom! E acabou rápido demais...