quinta-feira, 2 de abril de 2009

Operário canadense

Eu e a Carol achamos engraçado (agora, aqui, lá dava vontade de matar um) aquele negócio de peão de obra no Brasil: fica um trabalhando e dez caras em volta olhando. Era batata: obra da Cedae (a Cia de águas e esgotos do Rio) em Botafogo, engarrafamentos descomunais, um sujeito com a enxada dentro do buraco e outros dez olhando, batendo papo, falando sobre futebol e mulher.

Aí achávamos que aqui ia ser diferente.

Claro, momento Poliana (veja o post anterior) do casal. Pois peão é peão, ponto. Aliás, ser humano é ser humano: se puder ganhar o mesmo com o mínimo de esforço... por que não (afinal, a lei de Gérson é universal)?

Tem uma pequena obra aqui no parque em frente de casa. Já está rolando faz algum tempo. Todo dia vem o pessoal da obra: chegam em umas caminhonetes, roupas laranjas coloridas, capacete, faixa refletora, etc. e tal. Aí começa: um deles faz umas coisas aleatórias, outro fica apoiado em uma pá, fazendo pose de "ufa, trabalhei para caramba, vou dar uma descansadinha de 5 minutos!", outro segura uma placa de pare, outro segura a placa de pare sobressalente, outro olha para cima, outro ainda segura o lanche dos demais.

E no dia seguinte as coisas recomeçam... nesse ritmo, não vai dar para terminar a obra antes do próximo inverno.

2 comentários:

Daniduc disse...

Heh! É universal. Aqui na Holanda eles estão fazendo uma obra do metrô, uma linha norte sul de duvidosa utilidade. Criaram um imenso canteiro de obras na artéria central de Amsterdam. Início da obra: 2003. Em 2006, diziam que a obra estaria pronta em 2011. Ano passado diziam: 2017. Ou 18. Da página da Wikipedia em holanês sobre o paquiderme alvo: Het is onzeker of de Noord/Zuidlijn ooit wordt afgebouwd ("é incerto se a linha Norte/Sul será algum dia construída"). Custo atual do projeto: incontáveis milhões de euros.

E não é só em mega projeto não. A rua perto aqui e casa está interditada há meses. A rua inteira foi aberta, exposta, areia por toda parte, dezenas de casas sem calçada, sem poder parar carro, obras na frente. Meses. Eu passo lá a cada 3 dias, por volta das 4, 5 da tarde. Nunca vi um operário em volta. O canteiro de obras vazio. Vai bem, vai bem...

Gus disse...

Bom, por falar em metrô paquidérmico, aqui não fica atrás. Estão prometendo uma expansão da linha para o norte da cidade, onde fica uma universidade enorme (a Universidade de York), mas não sei nem se estão construindo ou não. Essa semana a província finalmente liberou a grana para o projeto de extensão e troca dos bondes da cidade... promessa de estar pronto até 2013... vamos ver.